Dicas de Cumuruxatiba e Hotel Cumuruxatiba/BA

Dicas da Pousada Timoneiro – Ponta da Fruta – Vila Velha/ES
19/10/2017
Dicas do Acquamarine Park Hotel e Acquamania.
06/12/2017

Dicas de Cumuruxatiba e Hotel Cumuruxatiba/BA

Olá amigos seguidores e leitores de nosso blog!! Estão gostando da nova página ?? Ainda temos algumas mudanças a serem feitas em nosso site para deixa-lo mais limpo e direto, afim de ajudar vocês em suas próximas viagens. Não deixem de nos acompanhar !!!

Vamos falar desta vez, de nossa viagem ao pacato, mas belo distrito de Cumuruxatiba, ali no sul da Bahia, uns 450 km aproximadamente ou umas sete horas de viagem.

A Cidade

Cumuruxatiba é um distrito da cidade de Prado no sul da Bahia. A distância entre Prado e Cumuru, como é carinhosamente chamado este distrito é de uns 32 km, em estrada de terra, com muitas ondulações e muitos quebra-molas que fazem com que carros mais baixos passem por alguns apertos. Até chegar lá, as paisagens são lindas e perfeitas para excelentes fotos, passando inclusive em frente a praias paradisíacas. Leva-se aproximadamente uma hora para cobrir esta distância, e chegar ao distrito com aproximadamente quatro mil habitantes, com excelente culinária, belas praias e culturas e raízes preservadas pelas moradores locais.

Existem bons bares e restaurantes apesar do pequeno tamanho do distrito. Por se tratar de um lugar que preserva as suas raízes como já dissemos, não espere encontrar asfalto na cidade, grandes supermercados e luxo. Ali, tudo é bem simples, mas é exatamente isto que vale cada segundo. Vamos falar dos locais que fomos visitar, comer e do hotel que ficamos hospedados, mas existem muitos outros locais a ir. Pelo período que ficamos, foi o que deu para fazer com calma e tranquilidade, como diz o lema da cidade: “Cumuruxatiba: Onde o tempo não tem pressa é a preguiça é mais gostosa.”

O Hotel e o Final de Semana

                                         

Ficamos hospedados no Hotel Cumuruxatiba, na costa da baleia. Chegamos na sexta feira por volta das onze horas da noite e nada fizemos devido ao cansaço das quase oito horas de viagem. Era nossa primeira vez e a estrada de terra nos fez levar mais de uma hora para ser atravessada, ainda mais a noite.

Fizemos o check in e fomos encaminhados ao quarto, de bom tamanho, com ar, TV de plasma, cama de solteiro e de casal de bom tamanho, banheiro com amenities, uma varanda com cadeira, enfim, tudo bem limpo e cheiroso.

                                   

O hotel conta com wi-fi, que funcionou perfeitamente para nós. Haviam poucas pessoas hospedadas no hotel, mas acreditamos que mesmo cheio, o wi-fi funcionaria sem problemas, pois existem muitos locais de repetição de sinal, tanto que até na praia o celular tinha sinal do hotel para internet.

O Hotel conta ainda com um Baja ( Fusca adaptado para estrada de terra), um ônibus e um veículo REO, que foi muito usado pelas forças armadas do mundo todo por ser bem robusto, e que pode enfrentar locais de areia, terra e lama por ter tração nas seis rodas. São veículos que servem para transporte de turistas nas altas estações e temporadas, para excursões aos arredores de Cumuru. Achamos bem interessante esta oferta do hotel, pois assim não dependem de terceiros para ofertar o serviço. Nota 100 !!!

                                                                                                                                                 

O hotel é administrado pelo Luis Fernando e pelo pai, pessoa simples, educada e que gosta de saber de novidades, sempre para poder trazer ao hotel e mantê-lo na frente da concorrência.

                             

No sábado pela manha, levantamos não muito cedo e fomos a melhor parte dos hotéis, o restaurante para o café da manha. O Hotel tem uma equipe de cozinheiras maravilhosas, e que fazem biscoitos caseiros .

No café da manha, muitas frutas, iogurte, pães, café, leite, salsichas e fritada de ovo e outras delicias, mas o destaque ficou por conta de um biscoito caseiro e dos bolos maravilhosos feitos pela equipe de cozinheiras..

                                                                                                                                                   

Agora sim, pela manha, pudemos conhecer todo o hotel e suas hospitalidades. Com uma piscina enorme e muito bem tratada, salão de jogos com sinuca, totó e ping-pong, sala de musculação, um ofurô, uma biblioteca, quadra de futebol e vários locais para um descanso mais que merecido. O hotel transpira paz e harmonia. É considerado o melhor de Cumuruxatiba, está localizado em frente à praia e tem um restaurante próprio, que atende aos hospedes e aos visitantes. Este restaurante fica aberto até tarde da noite, servindo almoço e jantar. O hotel tem uma saída pela área da piscina, que sai diretamente na rua da praia, onde fica o restaurante.

                                                                                                                               

 

Nós passamos o dia de sábado andando pela praia. Ali tem um antigo píer que foi construído entre as décadas de 50 e 60 e usado para facilitar o escoamento de areias monazíticas por navios que ali ancoravam. Para os que não sabem, esta qualidade de areia contem a monazita que é um mineral de terras raras com alto teor de urânio e tório, este último usado no final do século XIX para fazer camisas de lampiões, Nos anos 50 e 60 com o advento da era nuclear, voltou a ser procurada e era contrabandeada como lastro dos navios.

Sobram ali os restos do Pier, que como ficamos sabendo ninguém tem conhecimento ao certo do quanto tinha de cumprimento. Uns dizem que tinha 60m, mas outros chegam a dizer que tinha uns 1.200m de cumprimento. Fizemos boas fotos na praia. Como a maré estava baixa, os barcos dos pescadores estavam todos encalhados e podíamos andar muito mar adentro. Mas a maré ali sobe muito rápida e em pouco tempo volta a encher e fazer os barcos ter flutuabilidade. A temperatura sempre agradável e a água morna faz a vontade de ir embora demorar a aparecer.

Bem em frente ao hotel, existem muitos restaurantes, para todos os gostos,sempre com comidas típicas da Bahia e frutos do mar, mas optamos por ficar no restaurante do próprio hotel, Restaurante Terraço.

                                        

Bonito, aconchegante, com lugares para sentar do lado de dentro e do lado de fora, inclusive com locais para se deitar, com colchões e cadeiras bem confortáveis.

Optamos por pedir carne de sol, com feijão de corda, farofa de banana e linguiça e arroz. Que comida DELICIOSA !!!! Que saboroso, preço justo, R$ 90,00 para três pessoas !!

A piscina do Hotel é uma história a parte, e mesmo ficando de frente para a praia, não tem como não curtir a piscina. Ela foi reformada a pouco tempo e ficou bem bonita com a logo do hotel no fundo dela (uma Baleia). Água muito bem tratada e na temperatura ideal para curtir. Foi o que fizemos na parte da tarde de sábado.

A noite veio e fomos dar um volta pela cidade para ver o movimento fora de temporada. Era um final de semana como outro qualquer. Fomos comer uma pizza em uma batataria….batataria ?? isso mesmo, fomos a Batataria da Paula. Uma pizza, um refrigerante, uma gelada. Atendimento conforme o local, e lá fomos dar uma volta.

Cumuru tem três ruas principais, a da praia, a do meio e a de cima. A rua da praia tem seus restaurantes e bares e algumas lojas de artesanatos. A rua do meio é a que tem mais comércio, com muitos bares, lojas, a praça da cidade e casas, algumas para aluguel em alta temporada. È a rua pela qual se entra na cidade. E finalmente a rua de cima tem mais residências, e termina junto a praça da cidade, onde fica o colégio e pelo que pudemos observar, onde no verão o clima fica mais agitado. Esta rua começa bem aonde fica o posto de saúde do distrito. Uma observação: Rua da praia, do meio e de cima, são denominações que nós do casalviagem estamos dando aqui para facilitar para as pessoas que nunca foram a Cumuru. Na verdade tanto a rua do meio, quanto a de cima se chamam Avenida Treze de Maio e a rua da praia, começa com Quinze de Novembro, depois passa por um beco e muda para Delfino Barreiros, esta sem saída. Depois, na esquina do Hotel Cumuruxatiba ela começa novamente, mas desta vez sem nome e no final dela emenda com a rua Treze de Maio novamente.

Bom, continuando nosso passeio de sábado a noite, fomos conhecer um restaurante que já tínhamos ouvido falar muito bem, o Mama Africa, de propriedade da Dolores, pessoa mais do que simpática e muito atenciosa. O local é muito bonito e com muitos enfeites e adornos tipicamente africanos para fortalecer o nome do restaurante. Como já estávamos cheios por causa da pizza na batataria, ficamos apenas de visitante, mesmo porque, por causa do horário, e do final de semana sem movimento, eles já estavam quase fechando, mas é um local que recomendamos para todos, desde casais em clima de romance até famílias, que queiram comer alguns pratos típicos angolanos com um tempero do mediterrâneo em um local brasiliano. Pelos pratos que vimos em fotos, deve ser TOP. Fomos convidados a ir jantar lá em uma próxima visita.

                                                 

Vou voltar um pouco no tempo, mais precisamente no período da tarde, para falar sobre uma sobremesa, um doce, que deixou tanto eu, quanto a Elaine e o nosso filho Guilherme com muita água na boca, mesmo depois de degustado. A famosa cocada baiana, preparada pela Lucinha. A Cocada da Lucinha fica no que chamamos de rua do meio, ao lado de um comércio chamado Cesta Econômica. Ali, ela prepara e vende cocadas, além do que chamo de normal (de coco), de leite condensado, abacaxi, banana, cacau, queijadinha e pé de moleque. Pensa em uma cocada que derrete na boca, difícil foi comer uma só. E ao preço de três reais cada, da para imaginar onde foi parar a gula…

Pronto!! Acho que agora podemos voltar ao roteiro de nossa viagem. Mas, já era sábado a noite e voltamos para o hotel, mesmo porque as onze horas da noite tudo já estava fechado, ou quase tudo, ainda conseguimos ver uma barraca de sanduba aberta, daqueles que aqui chamamos de “podrão”. Os demais locais já estava, fechados, muito pelo movimento quase que inexistente.

Domingo pela manha, mais uma vez aquele café da manha maravilhoso com aquele biscoito, praia, almoço no restaurante do hotel, e a mesma comida de sábado, merecíamos, e ficamos curtindo a piscina durante a tarde. Aproveitamos que era nosso ultimo dia para aproveitar o hotel e reservamos o ofurô para o período da noite. Ele comporta até quatro pessoas sem problemas, e da uma relaxada daquelas no corpo. No nosso caso, e acredito que na maioria das pessoas, como já estávamos bem queimados de praia e a temperatura da água é em torno dos 35 graus, não tem como ficar por uma hora ou mais ali, o corpo começa a amolecer, da uma soneira e um relax total..e foi o que fizemos no domingo.

Lembrando que domingo, em um distrito, do interior da Bahia, com pouco movimento, tudo fecha ao meio dia no máximo, inclusive as padarias, ou seja, não deixe de sair cedo para comprar biscoitos, água e o que mais quiser para a parte da tarde, caso resolva ficar ali até a segunda cedo, que foi o nosso caso. Passamos um pouco de aperto no domingo à tarde, pois queríamos comer algo que não fosse um arroz, feijão, carne….queríamos um biscoito, pão, café….e não tinha absolutamente nada aberto na parte da tarde, totalmente compreensivel em se tratando do local que estávamos. No restaurante do hotel, não tem sanduiches, apenas almoço e janta, ou os famosos “tira gosto”, o que não atendia ao que queríamos. Simplesmente esquecemos deste detalhe e devoramos o que tínhamos de biscoito no quarto.

Segunda pela manha, tomamos o café, “catamos” um monte de biscoito caseiro, que, repito, são maravilhosos, e viemos embora. Segui o mesmo caminho da ida para poder passar nas praias, que desta vez pude observar, são realmente bonitas e paradisíacas, mas optamos por não parar desta vez e vir embora. Quem sabe na próxima vez!?

Esperamos que tenham gostado das dicas que passamos e da nossa experiência em Cumuruxatiba, este lugar tão preservado e adorado por muitos. Queremos voltar, com certeza, desta vez em um período de alta temporada, para poder curtir tudo que o pequeno distrito tem. Como já dissemos, “Cumuruxatiba, onde o tempo não tem pressa e a preguiça é mais gostosa!”

Um beijo, Rodrigo e Elaine.

Curtam nossa página no Facebook: casalviagem.es

Sigam nosso instagram: @casalviagem.es

2 Comentários

  1. Adrielly Dias disse:

    Muito boa sua experiência nessa viagem, a cada relato eu me encantava pela cidade de Cumuruxatiba, com certeza ela estará nos meus roteiros de férias

    • Casal Viagem disse:

      Olá Adrielly, obrigado por ter gostado de nosso post!! Cumuruxatiba realmente é um lugar muito bonito. Aguarde, pois voltaremos em Cumuruxatiba para mais uma visita, pois o hotel vai estar em reforma e eles nos convidaram mais uma vez para estar lá antes da reforma, bem como retornar depois da reforma. Novos posts com mais comentários, fotos e inclusive videos estão por vir, aguarde e continue nos seguindo, por aqui e pelo nosso Instagram @casalviagem.es
      Abraços do Rodrigo e da Elaine.

Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *